//Duelo de técnicos: Arthur Elias e Tatiele Silveira se encontram em quatro jogos e duas decisões

Duelo de técnicos: Arthur Elias e Tatiele Silveira se encontram em quatro jogos e duas decisões

De um lado uma equipe que detém um recorde mundial de 34 vitórias consecutivas, com uma sintonia visível em campo, mostrando um futebol bonito e eficiente. Do outro lado um time forte, que sabe lutar até o final pelo resultado e tem tradição no futebol feminino brasileiro.

Corinthians e Ferroviária estão enfrentando uma verdadeira maratona de confrontos. São quatro no total, que decidem a ida para a final do paulista, e o título de campeão brasileiro 2019. Na última quarta feira aconteceu o primeiro jogo da semi do paulista, na Fonte Luminosa, casa da locomotiva. O Corinthians venceu a partida por 4×0, uma vantagem difícil de reverter. Mas quando se fala de decisão entre as duas equipes, tudo é possível.


Conversamos em entrevista exclusiva com o técnico do Corinthians, Arthur Elias, e tivemos acesso a coletiva com a técnica da Ferroviária, Tatiele Silveira. Eles falaram sobre essa sequência de jogos e a preparação das duas equipes. 

Arthur Elias está no corinthians desde 2016, quando ainda existia a parceria com o Audax. Neste período o técnico conquistou uma Copa do Brasil, um Brasileiro e um título da Libertadores da América. Tatiele Silveira chegou para a Ferroviária no início desse ano. Antes ela havia passado pelo Internacional de Porto Alegre, e já foi auxiliar técnica na base da seleção brasileira.  

Respeito mútuo

Quando se fala nos confrontos decisivos o discurso se alinha no respeito entre as duas equipes. Para Arthur Elias, apesar da sequência de vitórias, não há favoritismo. “Todo clube que chega a uma final ou semifinal é por mérito ou por ter feito um trabalho que alcance essa colocação. Eu respeito muito a equipe da Ferroviária, a gente sabe que cada jogo tem a sua história. Vamos fazer um trabalho que nos faça chegar ao resultado que a gente espera”, explica.

A Tatiele também acredita que os jogos decisivos são diferentes. “A gente sabe a qualidade do adversário. Mas a gente sempre frisa que a final é sempre um jogo diferente, onde os detalhes são extremamente importantes. A expectativa é jogar um bom futebol e voltar a ter o controle das ações. A ideia é repetir a trajetória vitoriosa que a gente tem conseguido nessa temporada”. 

Calendário desgastante

Os dois times tiveram que enfrentar um calendário de jogos com intervalos curtos entre partidas do paulista e do brasileiro. Nessa fase final, as equipes se encontram quatro vezes em um período de 15 dias. Para o técnico do Corinthians, isso é péssimo. “Eu lamento um calendário tão mal organizado. Tivemos jogos marcados em datas conflitantes, e ao longo do ano isso tem sido resolvido em cima da hora”, ele explica referindo-se às mudanças tardias de data pela CBF, e continua. “Eu entendo que até certo ponto as duas competições devem andar juntas, mas acredito que na fase final cada uma deveria ter o seu grande momento”, completa. 

Para driblar essa sequência cansativa, a técnica Tatiele aposta no trabalho da comissão. “Agora é um trabalho em equipe da comissão técnica, preparação física, fisioterapia, pra que a gente possa recuperar a equipe. Infelizmente temos aí três dias entre um jogo e outro, e temos que tomar uma série de cuidados na recuperação das atletas”, aponta. 

 

Identidade

Para Corinthians e Ferroviária a importância de manter o foco jogo a jogo, vai fazer a diferença no final. No time alvinegro, não existe pretensão de trazer novidades para o campo. A ideia é manter o trabalho que já vem sendo feito. “A nossa equipe é forte porque é uma equipe que trabalha muito e tem uma id

entidade de jogo muito bem definida. Não temos nenhum motivo para mudar o que vem sendo feito”, revela o técnico Arthur Elias. 

Já Tatiele acredita no fortalecimento da equipe dentro de campo. “Nós temos uma identidade das guerreiras grenás. Esse grupo é muito forte, não desistimos nunca. Estamos felizes por ter conquistado a vaga para disputar a final do campeonato, e acreditamos no trabalho que construímos até aqui” disserta. 

Apesar das decisões à vista, a rivalidade fica só dentro de campo. Tatiele disse na coletiva que ela e o Arthur se conheceram no início do ano e vez ou outra trocam mensagens e ideias. “Nós somos adversários dentro de campo, naquele momento. Mas eu acho que a gente pode enriquecer muito o nosso conhecimento com essa troca e mantendo um bom relacionamento”, define. 

Nesse domingo as duas equipes se encontram mais uma vez no primeiro jogo da final do Brasileiro. A partida acontece na Fonte Luminosa, casa da Ferroviária, às 14h, com transmissão ao vivo pelo twitter @BRFeminino e pela Band.