//A porta do Allianz Parque foi aberta para as palestrinas

A porta do Allianz Parque foi aberta para as palestrinas

Pela primeira vez a equipe feminina do Palmeiras disputou uma partida no estádio principal

Na última quinta-feira (24), o Allianz Parque recebeu pela primeira vez uma partida oficial do seu elenco feminino. O clássico entre Palmeiras x Santos, que terminou com a vitória das donas da casa por 2×1, simbolizou mais um passo de reconhecimento e desenvolvimento da modalidade dentro do clube paulista.

As atletas do Palmeiras já haviam estado no estádio duas vezes em treinamentos abertos para a torcida, mas desde o retorno do futebol feminino no clube, os mandos de campo ocorrem em Vinhedo, no Estádio Nelo Bracalente, conforme parceria com o município, firmada em 2019 e renovada em 2020.

As conversas para que o time feminino do Palmeiras atuasse no Allianz Parque já ocorriam há algum tempo, e foi exatamente em um clássico paulista que a oportunidade de estreia aconteceu. O jogo foi transmitido pelo twitter do @BRFeminino, e contou também com uma cobertura massiva da imprensa.

Dentro de campo, aparentemente, as palestrinas sentiram a importância do acontecimento. Mesmo diante de uma equipe que se manteve líder da competição por várias rodadas, o Palmeiras não se mostrou intimidado, e o jogo teve todos os ingredientes de clássico: golaço, provocações, polêmicas e disputa acirrada.

A artilheira do Brasileirão A1, Carla Nunes, comentou sobre o significado de jogar no estádio. “Me sinto privilegiada e agradecida por Deus ter me escolhido para viver esse momento. Estou muito, mas muito feliz com tudo o que tem acontecido comigo. Isso traz ainda mais motivação para continuar dando alegrias tanto para o time quanto para os palmeirenses. Sobre jogar no Allianz Parque, é muito importante e foi uma conquista, pois aumentamos ainda mais a nossa visibilidade e isso mostra que o nosso trabalho tem sido reconhecido. Espero que a ação sirva de inspiração para muitos outros clubes.”

Carla marcou 12 gols no campeonato, se tornou a maior goleadora da história do Palmeiras e a primeira mulher a marcar um gol no Allianz Parque, mesmo assim a técnica Pia Sundhage não a convocou para a seleção brasileira, gerando debates sobre o assunto, porém a artilheira parece não guardar mágoas, “Respeito totalmente as convocações da Pia e entendo que ela faça uma lista pensando em quem está melhor no momento. Hoje o meu pensamento está totalmente voltado ao Palmeiras, então vou continuar trabalhando forte por aqui e, se um dia tiver uma chance na seleção, com certeza ficarei muito feliz.”

Foto: Fabio Menotti

No final, vitória dupla do Palmeiras, primeiro no jogo, com gols da Carla Nunes e Bianca. Já as sereias da Vila descontaram com um gol da Larissa, de pênalti. A segunda vitória da equipe, foi o simbolismo de entregar para o clube e a torcida, o êxito em um clássico tão importante. A vitória é essencial para mostrar não apenas a qualidade que a equipe feminina do clube também tem, mas o profissionalismo e a entrega que a modalidade precisa. O Palmeiras foi uma das últimas grandes equipes que apresentou seu elenco feminino no Brasileiro A1, e apesar dos avanços no último ano, vez ou outra aparece em comentários de torcedores que cobram do clube uma atenção maior ao feminino.

A última vez foi no lançamento da camisa de 2020, onde o modelo feminino ficou de fora. Resta saber se a porta do Allianz e do clube, seguirão abertas para que elas entrem e mostrem o que podem fazer.