Simone Jatobá exalta foco da Seleção Feminina Sub-17 e projeta Copa do Mundo: ‘Se o máximo for ser campeãs, a gente vai buscar o máximo’

Adriano Fontes/CBF

Em entrevista exclusiva, técnica da Seleção Sub-17 contou bastidores da conquista do Sul-Americano, falou da formação de atletas no Brasil e preparação para a Copa do Mundo

A Seleção Brasileira Feminina Sub-17 foi campeã do Sul-Americano de 2022 com a melhor campanha da história. Foram sete vitórias em sete jogos, 33 gols marcados e nenhum sofrido. Em nenhuma das outras três conquistas do Brasil (2010, 2012 e 2018), a seleção tinha passado a competição sem ser vazada. Com o melhor ataque do torneio, a seleção teve ainda Jhonson como artilheira, com nove gols marcados.

As metas estipuladas pela comissão técnica brasileira antes da competição começar eram duas: garantir a vaga para a Copa do Mundo da categoria e conquistar o tetracampeonato do Sul-Americano.

Não tomar nenhum gol durante a competição foi um feito comemorado pela técnica Simone Jatobá. “A gente vinha num processo de sete convocações, junto dessa do sul-americano para ter essa classificação. Mas te confesso que essa meta de não levar gols não estava nos nossos planos. Lógico que a gente trabalha para não levar gols”, disse Jatobá.

Goleira Eluiza defende lance de ataque da Seleção da Colômbia. Foto: Adriano Fontes/CBF

A PRIMEIRA TÉCNICA CAMPEÃ

Treinadora da Seleção Feminina Sub-17 desde agosto de 2019, Simone se tornou a primeira mulher a conquistar o Sul-Americano da categoria com a seleção. O feito inédito não era preocupação de Simone e sim uma consequência. O foco da seleção em conquistar o quarto título do torneio foi exaltado pela treinadora diversas vezes. “Desde o princípio eu falei, minha preocupação não é essa, minha preocupação era classificar para o Mundial e sermos campeãs. Sermos campeãs entraria nesse fato histórico. Para mim é muito gratificante, é um bônus a mais nesse campeonato”, disse a técnica.

Mesmo com o foco na conquista, Simone comemorou o feito de ter sido a primeira técnica mulher campeã da competição: “Eu fico muito feliz por ter sido a primeira porque quando a gente entra em um clube a gente quer fazer história. Quando a gente está na seleção a gente também quer fazer história”.

Técnica Simone Jatobá no vestiário antes da partida contra o Chile pelo Sul-Americano. Foto: Adriano Fontes

FOCO NO TÍTULO 

Com jogadoras de oito clubes (Ferroviária, São Paulo, Fluminense, Corinthians, Internacional, Fortaleza, IMG Academy (EUA) e Toledo), a Seleção contou com atletas consagradas nas categorias de base e apresentou novos talentos brasileiros à torcida. Da defesa ao ataque, a consistência técnica durante a competição foi o fator principal da conquista histórica. Com jogadas ensaiadas e criação de jogadas desde a defesa, a Seleção Sub-17 mostrou a qualidade do grupo durante toda a competição. 

Com as metas bem definidas, a técnica Simone Jatobá falou sobre o foco da seleção até o título. “Quando você entra no Sul-Americano com meia meta e não uma meta inteira você acaba quebrando pelo caminho. Então a gente sabe que a gente tem que entrar num campeonato com os objetivos traçados e só ir lá para concretizar”, disse.

Sem dar brechas para a distração, Simone contou que evitou de olhar as redes sociais durante o torneio. “Eu não lia comentários, não lia nada, porque realmente queria estar focada naquilo que a gente tinha que fazer”. Simone só entrava na rede social para responder as mensagens como forma de agradecimento ao apoio da torcida.  

DESTAQUES INDIVIDUAIS 

Mesmo com o coletivo se sobressaindo, alguns destaques individuais deram à seleção números ainda melhores na conquista. Com um ataque rápido e letal, Jhonson, Aline e Dudinha marcaram 20 dos 33 gols da seleção no Sul-Americano, sendo nove de Jhonson, artilheira da competição, seis de Aline, vice-artilheira, e cinco de Dudinha. 

Jhonson e Aline comemoram gol da Seleção Brasileira contra o Paraguai pelo Sul-Americano. Foto: Adriano Fontes/CBF

Sobre os números individuais, Simone elogiou o grupo como um todo e falou do futuro das jovens atletas. “Eu acho importante esse processo na carreira para elas. Então, vejo elas com um futuro imenso, desde que nesse caminho, haja pessoas que possam colaborar para que isso aconteça. A gente já viu até muitas atletas com uma capacidade imensa, mas que acabam parando por alguns processos pelo caminho e acabam sendo esquecidas. Mas essas atletas têm um potencial imenso e um futuro muito promissor”, disse a técnica.

Dudinha e Aline comemoram gol da Seleção Brasileira contra o Paraguai pelo Sul-Americano. Foto: Adriano Fontes/CBF

ADVERSÁRIO DIRETO 

Com goleadas em todos os jogos até a última rodada, o maior desafio da seleção foi justamente no jogo que valeria o título do Sul-Americano, contra a Colômbia, que fez a segunda melhor campanha do torneio. A comissão técnica brasileira sabia disso e ficou de olho nas colombianas desde a terceira rodada. E na partida decisiva, o forte poder defensivo seguiu funcionando. 

“A gente conseguiu dentro do próprio jogo demonstrar que a gente não tinha só um setor ofensivo que marcava muito gols, a gente não tinha sido testada. Mas nesse jogo a gente conseguiu colocar em prova que a gente tem uma defesa boa, consistente também. Mas que obviamente precisava ser testada”, disse Simone. 

Com atletas que figuram na seleção principal, a Colômbia chegou para a final já classificada ao Mundial, assim como o Brasil. O título então era a disputa principal do confronto. A qualidade colombiana ficou evidente na primeira etapa, quando o Brasil pouco conseguiu jogar e Simone reconheceu a força das adversárias. “Obviamente a Colômbia veio sem nada a perder, já classificadas, e pensaram: opa, vamos assustar o Brasil. É uma seleção que tem muita competência. A gente precisa assumir que não é só o Brasil que estava bem, a Colômbia também estava bem no Sul-Americano”.

Carol, da Seleção Brasileira, em disputa de bola no jogo contra a Colômbia no Sul-Americano. Foto: Adriano Fontes/CBF

Então, o Brasil contou com uma estrela do banco de reservas para consagrar o título. A conversa no intervalo e as trocas no setor ofensivo deram resultado. “Então foi o que a gente falou no segundo tempo e a troca para a Rebeca no meio de campo. A gente começou a ganhar todas as primeiras bolas, começou a se impor um pouco mais e a colocar ritmo no meio de campo, e aí as coisas começaram a fluir”, falou a treinadora.

O gol do título veio aos 30 minutos da etapa final. Rhaissa, que também entrou no segundo tempo, recebeu passe de Aline e tirou da goleira para confirmar o tetracampeonato brasileiro

Comissão técnica e jogadoras da Seleção Feminina Sub-17 comemoram título do Sul-Americano. Foto: Adriano Fontes/CBF

FORMAÇÃO DE ATLETAS 

Apesar da geração talentosa, a comissão técnica brasileira ainda tem dificuldades na captação de jogadoras para as categorias de base. A Jhonson, artilheira do Sul-Americano, por exemplo, joga no Toledo, time que disputou o Brasileirão A2 e Brasileirão Sub-18 em 2020, mas não disputou as últimas edições do nacional e nem do Campeonato Paranaense, assim não tem a mesma visibilidade que clubes de São Paulo, Rio de Janeiro e Rio Grande do Sul no futebol feminino. 

“No ciclo passado, a gente só conseguiu ver atletas nesse tipo de campeonato [brasileiro], ou regional. O Paulista, alguma coisa de Carioca, o Gaúcho, então não tinha muita coisa, só ficava nesse eixo mesmo, São Paulo, Rio e Rio Grande do Sul, que tinha um pouco da base”, disse Simone.

A técnica da Seleção Sub-17 ressaltou a importância de mais campeonatos estaduais e de base.  “A gente não tem preferência, não é só Rio, São Paulo, Rio Grande do Sul. A gente imagina que na região Nordeste, outros estados, tenham atletas boas.” A treinadora ainda citou Rhaissa, autora do gol do título do Sul-Americano, como um exemplo. ”A Rhaissa veio de Goiás. Ela foi fazer um teste na Ferroviária e passou, mas se ela não tivesse ido, como a gente encontraria se não tem campeonatos?”, indagou a técnica. 

Rhaissa foi a autora do gol do título da Seleção Brasileira no Sul-Americano Feminino Sub-17. Foto: Adriano Fontes/CBF

Simone e comissão mantém contato com os clubes para se informar sobre as atletas, e acompanham treinos, jogos e assistem vídeos. Além desse acompanhamento, a seleção tem parceiros fora do Brasil para encontrar jogadoras brasileiras que moram em outros países, por meio da CBF Academy School. 

A meia Lara, por exemplo, foi morar nos Estados Unidos e atualmente treina na IMG Academy. A comissão da seleção mantém contato com o clube para saber como a atleta está. “A gente continuou monitorando, porque às vezes a atleta vai e a gente não sabe que nível ela vai estar”, explicou Simone.  

Para a treinadora, os campeonatos brasileiros das categorias sub-17 e sub-20 são essenciais para a formação das seleções de base. 

“A gente tenta estar em todos os lugares porque a gente sabe que tem muitas atletas boas e elas precisam ser vistas, mas às vezes elas precisam de oportunidades de serem vistas”, completou Simone.

PRÓXIMOS DESAFIOS

Principal seleção no cenário Sul-Americano, o foco do Brasil agora é um nível acima: enfrentar as melhores equipes do mundo. A treinadora Simone Jatobá falou que prefere enfrentar seleções europeias porque sabe que a régua para o mundial é muito maior. “Hoje eu não consigo falar em que nível nós estamos no setor mundial, porque a gente não fez nenhum jogo. Acho que a partir do momento que a gente consiga enfrentar as outras equipes, a gente vai ter uma noção”, disse Jatobá.

“A gente tem a Espanha que é a atual campeã [da Copa do Mundo Feminina Sub-17]. A gente gostaria também da França, e até mesmo da Holanda, que hoje tem uma equipe muito forte no adulto”, falou a técnica.

Pensando na preparação para a Copa do Mundo Sub-17, em outubro, na Índia, a comissão técnica da Seleção Feminina Sub-17 já fez o pedido dos amistosos para a CBF e acredita que no próximo mês terá a resposta a respeito dos próximos passos a caminho do Mundial. 

Comissão técnica e jogadoras da Seleção Sub-17 após jogo contra o Paraguai no Sul-Americano. Foto: Adriano Fontes/CBF

COPA DO MUNDO

A conquista do Sul-Americano foi a primeira competição do ano para a Seleção Sub-17, que agora volta os olhos à meta principal: a Copa do Mundo. 

Simone explica que os objetivos para o Mundial são os mais simples possíveis. Segundo ela, “a simplicidade vai fazer com que consiga chegar na complexidade”, que são os jogos difíceis que a seleção encontrará pelo caminho. 

Desde a primeira convocação desse novo ciclo Sub-17, que aconteceu em fevereiro de 2021, houve uma evolução evidente na equipe, fruto de um trabalho duro de atletas e comissão. 

Diante disso, a treinadora afirmou que a seleção vai ao Mundial dando o que deu no Sul-Americano e que a meta é buscar o máximo possível dentro da competição.

“Nosso desejo é buscar o máximo que a gente conseguir. E se o máximo for ser campeãs, a gente vai buscar o máximo”.

Mesmo entendendo o nível das seleções que estarão no Mundial, Simone não esconde que a conquista da Copa do Mundo seria histórica. “Não vou mentir, nosso desejo é sim ser campeãs mundiais, mas não consigo responder ‘nós estamos entre as melhores do mundo’, a gente não tem essa noção”, afirmou. 

Agora, depois da conquista do Sul-Americano com uma campanha inédita, a preparação é para fazer história a nível mundial. “A gente vai trabalhar ainda muito mais, em todos os setores, para a gente ir para o Mundial para que a gente possa fazer história dentro daquilo que é possível para a gente”, finalizou a treinadora.  

Mariana Santos
Jornalista. Do campo, quadra e areia, encontrei no jornalismo a junção de duas paixões, o esporte e a comunicação. No Fut das Minas, a missão mais importante: escrever sobre o protagonismo das mulheres no futebol e no mundo. Comentarista às vezes. Palpiteira sempre.